sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

A dor de uma eterna despedida


 Toda despedida leva um pouco de nós e deixa um pouco do outro, quando realmente amamos e esse sentimento persiste em ficar ela se faz eterna em nossos dias.
Tantas vezes nos despedimos de alguém dizendo adeus com palavras, mas no nosso coração o sentimento e a vontade que fica é essa; não vai, fica aqui comigo, eu preciso tanto de você.
o fato é que soltam-se as mãos mas os corações  ficam entrelaçados em um elo quase que infindável.
Foi exatamente assim que me despedi de um grande amor, eu caminhava de volta para casa, sozinha,  mas meu coração ficara contigo.
Soltei de leve as tuas mãos, sai do teu abraço mas o calor que senti do seu corpo naquele momento ficou em mim, os dias vão passando e em alguns deles a sua lembrança é marcante na memória, meu coração ainda acelera e por vezes ainda chora por ti.
Lembro-me de todas as vezes que ainda como amigos desabafavámos os problemas de nossos relacionamentos anteriores e acredito que a diferença deles foram o que fizeram crescer em mim esse amor, mas os dias seguiram, esse amor tomou forma, você já fazia parte de minha vida, mesmo sem perceber, você já era a razão dela.
No fim nada foi como eu pensei, derrepente você foi para tão longe, se despediu depressa, e a dor daquele momento não coube em mim, no meu coração, e transbordou se transformando em lágrimas, lágrimas de quem ama, de quem sentiu esperanças, de quem estava apostando todas as fichas, mas nada foi como eu planejei, aliás, eu nem pensei que ia te amar assim, e já estava te amando. só naquela despedida eu percebi o quanto te amava, a partir dali ficaram marcadas em mim, as boas lembranças, o amor, e a dor da eterna despedida. sua presença é constante em minha vida, e sei que será durante anos, soltaram-se as mãos, afastaram-se se os olhares, mas o coração, o  meu coração ficou ligado a ti.
Eu disse adeus, mas ainda espero por ti.

Texto -Sandra Nóbrega
 Projeto Bloinquês

Nenhum comentário:

Postar um comentário